Apesar de, em alguns casos ela se curar sozinha, a hérnia é uma doença que precisa de bastante atenção, especialmente em pessoas que têm constipação crônica e esforço para evacuar, tosse aguda, fibrose cística, próstata aumentada, esforço para urinar ou peso corporal em excesso. Fumantes e pessoas com má alimentação também precisam ficar de olho.

O Rio Day Hospital, espaço dedicado a cirurgias de pequeno e médio porte no Rio de Janeiro, criou essa postagem explicando um pouco mais sobre a hérnia e seus tipos.

O que é hérnia?

Hérnia é uma protusão, ou seja, o escape parcial ou total de um ou mais órgãos por um orifício que se abriu, por má formação ou enfraquecimento nas camadas de tecido protetoras dos órgãos internos do abdômen.

Não existe uma causa evidente para o surgimento de uma hérnia. Algumas são acometidas por levantar muito peso ou ter feito um grande esforço e outras podem existir desde o nascimento do paciente, mas a protuberância pode ser imperceptível por muitos anos.

As hérnias podem aparecer, também, em bebês e crianças. Isso acontece quando a membrana que cobre os órgãos abdominais não se fecham corretamente antes do nascimento.

Os tratamentos para hérnia incluem cirurgia e medicamentos, dependendo do caso. Para hérnia de disco, a fisioterapia é recomendada antes da operação para poder evitá-la. Em outros casos, é indicado apenas uma observação pois, como dito acima, em alguns casos ela se cura sozinha.

Os tipos de hérnia

As hérnias são classificadas de acordo com o local que houve a ruptura do tecido e causou a exteriorização do órgão.

Hérnia inguinal

A hérnia inguinal é uma saliência que aparece na virilha e ocorre quando se tem uma abertura nos músculos abdominais fazendo com que uma parte do intestino ou de outro órgão do abdômen consiga sair por essa abertura. 

Este tipo de hérnia geralmente não causa dor, mas pode ser observada como um pequeno inchaço na região, que pode estar sempre presente ou aparecer quando se faz esforços. A hérnia inguinal pode acontecer em homens e mulheres, mas nos homens a hérnia pode afetar também o escroto, causando dor ou dificuldade para andar, por exemplo.

Hérnia de disco

A hérnia de disco afeta a coluna e ocorre nos discos intervertebrais, que funcionam como amortecedores entre as vértebras da coluna, sendo mais comum em idosos por um processo natural de envelhecimento ou por obesidade, carregar peso em excesso ou por enfraquecimento dos músculos do abdômen e das costas que dão suporte à coluna.

Os sintomas da hérnia de disco geralmente aparecem quando a hérnia se localiza na região lombar e incluem dor, formigamento ou dormência das pernas, pela compressão dos nervos que ficam próximos da vértebra. 

Hérnia muscular

A hérnia muscular pode surgir em qualquer músculo do corpo, mas são mais comuns nas pernas, na região entre os joelhos e o tornozelo. Este tipo de hérnia é mais comum em adolescentes e jovens que praticam atividades físicas intensas.

Hérnia umbilical

A hérnia umbilical é a passagem de uma parte do intestino através dos músculos do abdômen, o que normalmente provoca um estufamento na região do umbigo. Esse tipo de hérnia é mais comum em bebês ou crianças e geralmente não precisa de tratamento específico. 

Hérnia epigástrica

Ocorre na linha média do abdômen como resultado do afastamento dos músculos retos abdominais (dois músculos localizados na parte anterior e central do abdômen) acima do umbigo.

Hérnia incisional

As hérnias incisionais ocorrem em locais do abdômen que já foram submetidos a uma incisão cirúrgica e são resultantes da cicatrização inadequada dessas incisões. Este tipo de hérnia tem como característica apresentar altos índices de recidiva e de complicações. Os principais fatores que levam ao desenvolvimento de hérnias incisionais são: infecção da ferida cirúrgica no pós-operatório, obesidade, tratamento com corticoides e quimioterapia, complicações respiratórias (tosse) no pós-operatório, má nutrição e idade avançada.

Hérnia de hiato

A hérnia de hiato, também chamada de hérnia diafragmática, acontece quando uma parte do estômago consegue passar pelo hiato, que é um orifício presente no diafragma responsável por separar o tórax do abdômen. 

Quando acontece a hérnia, uma parte do estômago sobe pelo hiato e fica localizada no tórax, gerando sintomas semelhantes aos do refluxo, como sensação de queimação no estômago, arrotos ou refluxo dos ácidos do estômago que podem provocar tosse e enjoo.

Hérnia cerebral

Hérnias cerebrais são hérnias caracterizadas pelo avanço do tecido encefálico, líquido cefalorraquidiano (ou líquor) e vasos sanguíneos para cavidades cranianas não originais, para o exterior da caixa craniana ou para o forame magno (abertura do osso occipital localizada no centro da fossa posterior do crânio que conecta o cérebro com a medula espinhal).

Redutível ou Encarcerada

Uma hérnia redutível “volta” para dentro do abdome quando o paciente deita ou empurra suavemente. Este tipo de hérnia não é um perigo imediato para a saúde de uma pessoa, embora possa ser doloroso e agravar-se ao longo do tempo, se não tratada.

A hérnia encarcerada ocorre quando o abaulamento fica “preso” e não reduz para o abdome mesmo em repouso ou com compressão manual. Hérnias não redutíveis (encarceradas) são frequentemente muito dolorosas e requer atenção médica imediata.

Adquirida ou Congênitas

As hérnias também podem ser classificadas de acordo com a sua causa. Uma pessoa pode nascer com uma hérnia ou pode adquiri-la ao longo da vida.

Hérnias adquiridas são causadas pelo esforço físico ou aumento da pressão abdominal, tais como parto, obesidade, levantamento de peso, etc.

Hérnias congênitas estão presentes desde o nascimento e acontecem em pontos de fraqueza na parede abdominal. Hérnias em crianças são quase sempre congênitas.

Hérnia femoral

A hérnia femoral acontece quando uma parte do intestino consegue passar através dos músculos do abdômen, na região do canal femoral, e causa uma saliência na coxa ou na virilha. Além disso, a hérnia femoral pode causar sintomas de dor abdominal, náusea, vômitos ou cólicas intestinais, por exemplo.

As mulheres têm probabilidade três vezes maior do que os homens de desenvolver hérnia femoral, mas no geral, as hérnias femorais não são comuns (apenas 4% de todas as hérnias em adultos).

As hérnias de tamanho pequeno a moderado normalmente não causam nenhum sintoma. As hérnias grandes podem ser mais visíveis e causar algum desconforto. A protuberância pode causar dor ao levantar-se, levantar objetos pesados ou ao estiramento/esforço por qualquer motivo. A dor no quadril também pode ser um sintoma de hérnia femoral, devido à sua localização.

O Rio Day Hospital é uma clínica totalmente equipada com a estrutura e a segurança que médicos e pacientes precisam para suas cirurgias de hérnia. Acesse o site.

Agilize sua Internação